quarta-feira, 23 de março de 2011

Relatividade da felicidade..


Ser feliz, a questão é: querer o ser ou não?
A poética do sermos miseráveis de não temos sorte nenhuma, é um fetiche que foi criado para nos podermos andar aì a arrastar, tentando adquirir atenção..
A felicidade é um estilo de vida, há que saber adquiri-la e vive-la! De todo que se o nosso centro de equilíbrio for o aspecto da vida que é muito mais subjectivo vamos sempre nos dar mal, aliás não é a questão de nos darmos mal, mas irá desmoralizar nos mesmo não tendo 'actividade'!
Será que é assim tão pouco óbvio o porquê de algumas pessoas não terem objectivos familiares? pois bem, estas, na maior parte dos casos, são as pessoas que se sentem mais realizadas, até que há altura em que a roda da sorte, ou talvez da má sorte, gira e lá estão eles de pés para o ar, porque acham que tem de ter uma rota nova, mais precisamente: A família!
Os seus objectivos que sempre foram claros e precisos estão baralhados e a roda continua a girar! A coisa que seria mais fácil e seriam um grande gesto também, era agarrar na naqueles bens todos que possuem, em que ninguém lhes nega nada, e adoptarem uma criancinha, que essa sim ainda não foi ensinada a ser feliz e já passou por uma carga de desilusões e maus bocados! Será que as pessoas não conseguem ver o quão bem podem fazer? Bem ditos sejam a Anjelina Jolie e o Brad Bitt, digam o que quiserem, pronunciem-se e chamem de cliché! Digam que eles o fazem pela belíssima imagem que passa, a mim já me convenceram porque ao menos aquelas crianças não vão deixar de estudar por não ter dinheiro, não vão passar fome, nem aos dezoito anos serem expulsas do orfanato! Acabei por me afastar de da questão inicial, de aprender a ser feliz, na históriazinha simples, 'canja de galinha' do pensamento positivo! Ficará para outra altura..

Sem comentários:

Enviar um comentário